Portinho da al-rábita – um santuário natural

Texto e Fotografias de: RICARDO SOARES

No coração do invulgar monumento geológico conhecido por “Serra da Arrábida”, definida pelo Oceano e pelos grandes rios do Sul, o Tejo e o Sado, surge a enseada do Portinho da Arrábida, adornada pela cénica Pedra da Anicha. Este recanto revela-se como uma genuína “rapsódia” da Arrábida, consagrando um pouco de tudo o que esta montanha significa e tem para partilhar: o seu património geológico, ambiental e cultural, nomeadamente histórico-arqueológico e mágico-religioso.

Desde os primeiros homens da Pré-história Antiga, até aos nossos dias, o Portinho da Arrábida tem vindo a registar uma ininterrupta sequência de ocupação, particularmente evidente nas suas grutas e abrigos. Estes recantos naturais, abertos por acção natural no ventre da Terra, revelam-se como as primeiras opções de refúgio, culto aos mortos e retiro espiritual; claras manifestações de um íntimo passado de coexistência entre a força natural da Serra e a espiritualidade dos seus ocupantes, uma carga de misticismo natural explorada desde a Pré-História até aos dias de hoje.

O “culto das grutas” aparenta ter continuidade numa curiosa iconografia naturalista, bem patente na arquitectura e arte do Convento da Arrábida, manifestando-se na criação de grutas artificiais forradas com conchas; em várias guaridas, algumas erigidas sobre cavidades; e na ornamentação de nascentes de cariz salutífero.

Vaidosa musa de poetas, a Arrábida de Frei Agostinho da Cruz e de Sebastião da Gama, pousa intemporal para quem quiser sentir e viver a sua natural espiritualidade.

Comentários

Comentar

Relacionados

  • Grutas de Mira de Aire – À descoberta do mundo subterrâneo


    O ano de 1947 ia sequeiro. Pouco tinha chovido no Inverno e os poços e as cisternas estavam quase secos. Era preciso descobrir água. Alguém se lembrou que no sítio dos Moinhos Velhos, em Mira de Aire, uma coluna de vapor de água e ar quente saía de uma fenda, nos dias frios. Talvez… Nada melhor que verificar!

    ver mais »

  • Formosa, a ria


    Traduzir a Ria Formosa em palavras não é possível.
    Analítica e objectivamente, abrangendo os concelhos de Loulé, Faro, Olhão, Tavira e Vila Real de Santo António, são aproximadamente 16.000 hectares de água, praia, sapal, tecido urbano, tecido agrícola e matas

    ver mais »

  • Parque Nacional da Peneda Gerês: Maravilha natural


    O Parque Nacional da Peneda Gerês é uma das 7 Maravilhas Naturais de Portugal. Venceu a categoria Zonas Protegidas. Prémio justo

    ver mais »

  • Ilha da Madeira: pérola do Atlântico!


    Não se sabe quem foi o primeiro homem a avistar esta ilha perdida no Oceano Atlântico… Provavelmente um navegador da antiguidade surpreendido por alguma tempestade ou por um vento mais traiçoeiro! Também não há certezas quanto à data em que os Portugueses chegaram

    ver mais »

  • Pico (Açores) – Uma montanha única


    Imagine uma ilha com 447 quilómetros quadrados, com uma montanha alta, bem alta, campos carregados de vinha, muita vinha e mar, muito mar à volta… Não precisa imaginar! Essa ilha existe: é a ilha do Pico

    ver mais »

  • Lagoa das Sete Cidades – Açores


    A lagoa das Sete Cidades é o maior lago de água doce dos Açores e está situado na zona oeste da ilha de São Miguel

    ver mais »

  • Portugal maravilhoso


    No passado ano em Setembro, a selecção das sete maravilhas naturais de Portugal teve um enorme conjunto de virtudes: mostrou a enorme variedade paisagística do país e a sua biodiversidade

    ver mais »