A simplicidade da boa cozinha

Saindo de Braga pela N101, em direcção a Vila Verde, na freguesia de Palmeira vai encontrar o Restaurante D. Elvira, não muito distante do lindíssimo Castelo de Palmeira, imóvel classificado de Interesse Público, actualmente votado ao abandono.

Uma pequena antecâmara de entrada, com uns sofás que permite aguardar a vez, quando necessário, dá acesso à sala de refeições, espaço bastante amplo, que pode albergar até 120 manducantes, e solarengo, com janelas rasgadas viradas a sul e oeste, conferindo-lhe uma iluminação natural pouco comum.

A decoração é moderna e “arejada”, de algum requinte, com mesas e cadeiras de linhas geométricas, com o branco como cor dominante.

Quanto à ementa, reflecte a influência da gastronomia desta região minhota, onde o polvo e o bacalhau são, por demais, os melhores embaixadores. Mas não só! Desde logo, a pescada também não é esquecida, seja grelhada ou em filetes, assim como o robalo, na grelha ou com arroz e gambas, e nem mesmo o tamboril, igualmente em arroz. Mas, de facto, o polvo, grelhado com batata a murro ou em filetes com arroz de grelos, e o bacalhau, assado na brasa, também com a inevitável batata socada, ou “à D. Elvira” são as especialidades. No sector carnívoro a oferta, mais reduzida, divide-se por quatro tipos de carnes, três deles na brasa: vitela, em costeleta, vaca, em bife da vazia, e boi, em naco do lombo. O porco, preto e em bifes, acompanhado por arroz de feijão, completa a lista.

Cabe aqui realçar que estas propostas, embora constem na lista como sendo para duas pessoas, podem ser pedidas individualmente.

Nas entradas, bolinhos de bacalhau (pastéis de bacalhau, no Norte), rissóis de carne ou a alheira frita com legumes, são opções de se lhes tirar o chapéu.

Para final de refeição, é de destacar o leite-creme queimado, sem esquecer os pastéis de nata, as rabanadas, a torta de laranja ou, mesmo, o pudim de abade de Priscos.

A carta de vinhos, extensa e datada, oferece propostas a condizer.

Por fim, realce-se ainda a gentileza, simpatia e competência de toda a equipa, aconselhando-se a reserva de mesa.

Comentários

  • Tive o oportunidade de almoçar, no Restaurante D. Elvira no dia 14 do mês corrente.
    Uma grata recordação. Para além da boa comida, um atendimento 5 estrelas, num bonito local.
    Parabéns à jovem empresária e a todos os colaboradores.
    Mantenham bom serviço e o êxito continuará assegurado.

    Ma. Amália moura

  • Maria Amália Moura / 18-10-2014 / 17:06

Comentar

  • Morada
    Restaurante D. ELVIRA
    Avenida do Cávado, 316
    4700-690 PALMEIRA
  • Telefone
    +351 253 628 938
  • Horário
    12h-15,30h / 19,30h-24h
    Não encerra
  • Coordenadas
    N 41º 36' 12.5'' W 8º 25' 41.1''

Relacionados

  • Um bicentenário vivo


    O Restaurante Martinho da Arcada, o mais antigo café de Lisboa, foi fundado em 1782, sendo por isso um ex-líbris da capital. Situado na Praça do Comércio, proporciona uma magnífica panorâmica sobre o rio Tejo.

    ver mais »

  • Um porto seguro


    Situado na pequena marginal que bordeja a vila da Ericeira junto ao mar, a poucos metros do Largo das Ribas, sobranceiro à actual Praia dos Pescadores, outrora conhecida por Praia da Ribeira, o restaurante Canastra é um porto seguro para quem for apreciador de peixe.

    ver mais »

  • Um repasto com tempo


    O restaurante Almourol, com uma gastronomia tipicamente regional, situado na ribatejana localidade de Tancos, mesmo em cima do rio Tejo e com vista para o castelo de Almourol, é uma paragem que se recomenda.

    ver mais »

  • Um convincente bobo da corte


    Se há lugar merecedor de uma visita para quem, sem pressas, procura os caminhos de Fátima, à espera de encontrar sinais de tempos idos, o restaurante O Truão é, sem sombra de dúvidas, ao contrário do que o nome possa indiciar, um local ideal para esse propósito.

    ver mais »